Campo do Gerês

Campo do Gerês, antiga paróquia medieval, padroado real e, talvez pelo seu orago protector S. João Baptista, foi considerada por clássicos como comenda dos Cavaleiros do Templo. Nos tempos medievos, integrou-se S. João de Campo na circunscrição administrativa da “Terra de Bouro”, que segundo as Inquirições de 1220 aglutinava cerca de 70 freguesias.Trata-se de um território de importância histórica constatada pela sua posição excêntrica e raiana, pelas suas tradições comunitárias arcaicas e pelas suas antiguidades arqueológicas.

Situada na margem esquerda do rio Homem, em plena Serra do Gerês e no extremo NE do concelho de Terras de Bouro, confronta com a não menos antiga paróquia de Covide, com o concelho de Ponte da Barca e com a vizinha Galiza. Templário ou não, é povoado antigo com certeza porquanto são inúmeros os achados que testemunham uma arcaica, persistente e contínua ocupação humana do seu território, desde tempos pré-históricos até hoje, como evidenciam os túmulos megalíticos, também conhecidos por mamoas da Bouça da Chã, de Fundevila e da Bouça do Cruzeiro, ou como testemunha o Castro de Calcedónia.Instalado na vertente sudoeste do relevo da Picota, a uma altitude média de 630m, o lugar do Assento, principal núcleo populacional da freguesia de Campo, apesar dos excelentes exemplares de arquitectura rural de montanha que ainda exibe, encontra-se já bastante alterado na sua malha original.

Iniciou-se aqui, nas décadas de setenta e oitenta, como aliás no resto do país, a vaga de construção menos tradicional, constituindo uma alteração sentida quer ao nível dos materiais, estrutura e volumetria, quer na implantação dos edifícios, extravasando estes, por vezes, os limites interiores do tecido do povoado, ocupando lenta, mas inabalavelmente, terrenos de cultivo ou bosquetes marginais à estrada. Aqui e ali, ainda se descortinam, por entre os arruados estreitos, alguns canastros com as suas cruzes cimeiras, ou algumas varandas com madeiramentos costumeiros, abertas ao logradouro.

A Igreja matriz de Campo do Gerês, que teria sido edificada com materiais remanescentes do templo anterior, apresenta sobre a sóbria fachada, ao centro, um pequeno campanário e nas empenas tem as cruzes floreteadas da via sacra. Dentro, além do altar-mor, tem os colaterais de Nossa Senhora do Rosário, do Coração de Jesus, de Jesus Crucificado e o de Nossa Senhora de Lurdes.

 

Identificação/Constituição dos aglomerados habitacionais 

Assento, Bairro da EDP, Carvalhal, Cerdeira, Fejôgo, Fundevilla, Geira, Parede Nova.

População Residente

162 habitantes (2011)

Colectividades
Associação Recreativa e Cultural do Campo, Clube Caça e Pesca; Associação ASAS LIVRES, Associação A FURNA – Antigos habitantes de Vilarinho das Furnas; Conselho Directivo do Baldio de Vilarinho das Furnas/Campo do Gerês e Junta de freguesia.

Equipamento/Infra-estruturas sociais e educativas
Escola do 1º ciclo de Campo do Gerês, Centro Cultural e Museu Etnográfico de Vilarinhos da Furnas.

Animação Cultural
Trilho Pedestre Águia do SarilhãoCaracterísticas: Duração: 3 horasDistância: 9 kmPonto de Partida /Chegada: Museu Etnográfico de Vilarinho das Furnas

Festas e Romarias
S. João, festa do Senhor de Có-de-Seda (Junho/Julho) e Senhora da Conceição (8 de Dezembro)

Património Histórico-cultural
A via Nova do itinerário Antonino, vulgo Geira romana, franqueia todo o território da aldeia, com passagem pelas milhas XXVII, XXVIII e XXIX .O Cruzeiro de Campo mantém como fuste, um monólito cilíndrico epigrafado, marco romano que assinala a milha XXVII e que refere o imperador Décio (249-251). É Monumento Nacional por decreto de 16 de Junho de 1910.Trincheira de Campo, é referida pelo Abade Custódio José Leite nas memórias paroquiais de 1758 “ Nam hé freguesia murada, tem sim hum muro na casa da Guarda chamado o Corpo da mesma Guarda, e outros lhe dão o nome de trincheira, reparado há pouco tempo e este he o lugar onde os concelhos de Terras de Bouro, Santa Martha de Bouro, Couto de Souto fazem o seu Corpo de guarda; Não tem torres, nem castellos, porém próximo ao dito muro distancia de meyo quarto de legoa se achão penhas de bravos penedos tam fortíssimos e inexpugnáveis à maior violencia dos inimigos e logo ao pé da mesma trincheira está huma casa que serve de recolhimmento aos que guardão a passage...”. Sobre a Fraga do Sarilhão P.e Matos Ferreira, em 1728, conta no seu livro Thesouro de Braga: “Deste sítio, olhando para parte direyta, se via o ninho onde alguas Águias-reais criam os seus filhos; fica distante da Geyra perto de hua milha, no sítio que chamão Costa do Sarilhão, onde está hua montanha muyto áspera, vestida de muytas árvores, de diversas qualidades...”.

Actividades económicas
Agro-pecuária, construção civil, comércio, Empresas de animação Turística, Pousada, Parque de Campismo, Casas TER]

 

© Câmara Municipal de Terras de Bouro 2015, Todos os direitos reservados.

Praça do Município - Moimenta, 4840-100 Terras de Bouro | Telefone 253 350010 | Fax 253 351894 | geral@cm-terrasdebouro.pt

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. mais informação